® 2021 Rede Moinho 24 • Notícias de Pouso Alegre e região •

Minas

Zema pode anunciar lockdown para parte do estado na tarde desta quarta

Publicado

no dia

Zema anunciará medidas mais restritivas da pandemia na tarde de hoje | Imagem: Agência Minas

Lockdown deve valer para pelo menos quatro regiões que englobam 220 municípios. Medida vem após colapso da saúde em diversas regiões do estado e dificuldade dos municípios em adotar medidas de restrição de forma isolada

O governo de Minas deve anunciar na tarde desta quarta-feira a mais pesada medida restritiva no estado desde o início da pandemia. De acordo com a coluna de Camila Mattoso, na Folha de São Paulo, a medida, que pode equivaler a um lockdown, deverá valer para ao menos quatro regiões do estado, que abrangem cerca de 220 municípios.

De acordo com informações de políticos que estiveram com o governador Romeu Zema (Novo) no início da tarde desta quarta, diferentemente do que vinha sendo adotado, até então, a adesão dos municípios ao novo protocolo não será opcional, mas compulsória. Não se sabe, no entanto, quais regiões deverão entrar no protocolo mais restritivo.

Já segundo o Estado de Minas, o governo acrescentará ao ‘Minas Consciente’, o protocolo que norteia as medidas restritivas da pandemia no estado, a ‘onda roxa’, que permitirá apenas serviços essenciais, mas seria ainda mais restritiva que a ‘onda vermelha’, tida, até então, como a mais proibitiva.

O anúncio será feito durante coletiva de imprensa no prédio Tiradentes, na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, às 15h30 desta quarta-feira.

Se confirmando o anúncio desta quarta, Zema tomará a frente das medidas de restrição no estado pela primeira vez e o fará depois de ser pressionado por prefeitos e deputados. Com o agravamento da crise de saúde e a incapacidade de os municípios adotarem medidas isoladas para conter a propagação da doença, criou-se um consenso no meio político de que apenas o governo estadual teria capacidade de coordenar a reação àquela que já é a pior fase da pandemia.

Prefeitura não anuncia medidas de restrição

Pouso Alegre é um claro exemplo da dificuldade dos municípios em lidar com a adoção de novas medidas de restrição, também por conta do impacto político da medida, mas especialmente pela necessidade que ela se dê de maneira coordenada em regiões de confluência.

A cidade chegou nos últimos dias à fase mais aguda da pandemia, com seu sistema de saúde à beira do colapso. Apesar disso, o prefeito Rafael Simões (DEM) não anunciou novas medidas de restrição como muitos esperavam.

A explicação para a postura pode estar ligada ao fato de os municípios já estarem em contato com o governo de Minas. Simões, inclusive, esteve em Belo Horizonte no final da última semana, e teve agendas com o governador.

Ontem, após anunciar que a cidade não tem mais capacidade de abrir novos leitos de UTI, por conta da falta de profissionais de saúde capacitados, o político deu o tom do que estaria por vir: “Não adianta Pouso Alegre fazer lockdown se as cidades vizinhas não fazem”, avaliou o político.

Para Simões, caberia aos governos estadual e federal liderarem medidas conjuntas de combate à pandemia. Nem o político, nem a prefeitura, informaram, no entanto, se foi feito algum tipo de gestão junto aos entes cobrando novas medidas.

Comentários

Economia

Comerciantes poderão parcelar contas de água e luz em até 12 vezes sem juros

Publicado

no dia

Comerciantes estão entre os setores mais afetados pelas medidas de restrição por conta pandemia | Foto: R24

Medida anunciada pelo governo Zema também vale para famílias cadastradas na ‘Tarifa Social’ e prestadores de serviços

O governador Romeu Zema (Novo) anunciou ontem, 20, que comerciantes vão poder parcelar débitos de água e luz atrasados em até 12 vezes sem juros. O mesmo vale para prestadores de serviço e para famílias cadastradas na tarifa social.

“Após me reunir com diversos setores produtivos nos últimos dias, conseguimos dar uma boa notícia e atender a uma importante demanda. Os comerciantes que possuem dívidas de contas luz e água poderão parcelar os débitos sem entrada e em até 12 vezes sem juros”, informou o político.

Conta de luz

Para fazer o parcelamento da Cemig era necessário dar um valor de entrada nas negociações, e os juros variavam de acordo com o débito. A partir de agora, os juros estão zerados e é possível dividir em até 12 vezes.

As opções de parcelamento estão disponíveis no portal da Cemig ou pelo WhatsApp (31) 3506-1160. No aplicativo de mensagens, o cliente deve enviar um “Oi” e escolher a opção “Parcelar Meus Débitos”. A empresa orienta para que as pessoas optem pelos canais digitais, que são meios rápidos e seguros para efetivar a negociação.

Pelo portal Cemig, basta realizar login, selecionar a instalação que possui débito em aberto e, posteriormente, o serviço “Segunda Via e Pagamento de Contas”. Em seguida, o cliente pode verificar se existe a opção de seleção de débitos e a possibilidade de realizar o pagamento com cartão de crédito ou débito.

Além das opções citadas, há também um telefone específico para o parcelamento de débitos: 0800-721-7003, que atende das 9h às 21h, de segunda a sexta-feira, e das 9h às 15h, aos sábados.

Conta de água

As condições para parcelamento de dívidas com a Copasa são as mesmas: em até 12 vezes sem juros. O prazo final para aderir ao parcelamento junto à companhia é 11 de junho. Em caso de dúvidas, os clientes podem entrar em contato pelo telefone 115.

Quem pode aderir

Restaurantes, bares, padarias, casas de material de construção e diversos outros comércios de pequeno e médio porte, além de prestadores de serviços, como chaveiros e salões de beleza e estética, poderão solicitar o parcelamento de seus débitos.

Tarifa Social

Para ter direito ao benefício da Tarifa Social é preciso ter o registro no CadÚnico do governo federal, morar em um imóvel residencial e ter renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa do grupo familiar.

Para maiores informações, a família pode procurar informações junto ao CRAS mais próximo de sua casa ou entrar em contato com a secretária responsável pelas política sociais do município. Em Pouso Alegre, o telefone da pasta é o (35) 3449-4233.

Continuar lendo

Minas

Presídio de Extrema tem 67 detentos e dois servidores com Covid-19

Publicado

no dia

Audiências de custódia e visitas virtuais foi uma das formas encontradas para isolar detentos em meio à pandemia em Minas | Imagem: divulgação

Presos foram isolados e servidores afastados de suas funções. Surtos semelhantes já ocorreram em outros presídio da região, incluindo o de Pouso Alegre

Mais um surto de Covid-19 tomou conta de um presídio da região. Desta vez, a infecção se espalhou no presídio de Extrema, onde 67 presos e dois servidores do sistema prisional testaram positivo para a doença.

A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) nesta terça-feira (20).

O órgão informou que todos os presos foram colocados em quarentena. A maioria deles estaria assintomática e/ou com sintomas leves. Eles são acompanhados por uma equipe de saúde.

Os dois servidores que também testaram positivo foram afastados de suas funções e cumprem quarentena em suas casas. Eles também estariam com sintomas leves da infecção.

A Sejusp também informou que já não haveria mais casos de Covid-19 nos presídios de Alfenas, Guaranésia, Poços de Caldas, Botelhos e Três Corações. Em Pouso Alegre, ainda de acordo com o órgão, ao menos sete detentos estão com diagnóstico positivo.

Circulação restrita e centro de triagem

A Sejusp garante que o sistema prisional mineiro segue um modelo com restrição de circulação e cerca de 30 centros de triagem, distribuídos pelo estado, para incorporar novos custodiados ao sistema, reduzindo a possibilidade de o vírus chegar aos presídios. Apesar disso, surtos da doença têm sido comum nos presídios de Minas.

Continuar lendo

Minas

Nova remessa de vacinas vai permitir imunização de idosos abaixo de 65 anos

Publicado

no dia

Desde a última semana, não foi possível incluir novos grupos na vacinação por conta das doses enviadas serem destinadas à segunda aplicação. Lote que chega nesta sexta em Minas permitirá o início da vacinação de idosos abaixo de 65 anos, de acordo com o governador Zema 

Minas recebe nesta sexta-feira, 16, um novo lote de vacinas contra a Covid-19. Serão mais 701 mil doses. De acordo com o governador Romeu Zema (Novo), elas seguirão para abrir a vacinação de um novo grupo de idosos: de 60 a 64 anos.

Se for confirmada a projeção do governador, nos próximos dias, Pouso Alegre poderá finalmente incluir um novo grupo de idosos no plano de vacinação, paralisado desde a última semana em 66 anos, por falta de novas doses da vacina para a primeira aplicação.

Apesar de ter recebido remessas com 11.240 doses ao longo do mês de abril, apenas 1.820 delas eram destinadas à 1º aplicação, o restante era para completar o segundo ciclo de vacinação dos que já haviam recebido com a primeira dose.

O número elevado de vacinas destinadas à segunda dose nas últimas remessas se deve ao descompasso entre o número de pessoas que haviam recebido a primeira dose e aqueles que haviam recebido a segunda dose, não apenas em Pouso Alegre, mas em todo o Brasil.

Para se ter uma ideia, no dia 1º de abril, a cidade havia recebido 19.701 doses para primeira vacinação e 6.691 para segunda. Com as remessas das últimas duas semanas, hoje a cidade soma 21.521 doses para a primeira aplicação, 98% delas já aplicadas,  e 16.111 para a segunda, sendo que 49,5% delas foram aplicadas.

Lembrando que o esquema de vacinação é todo definido pelo Ministério da Saúde, responsável pela elaboração e execução do Plano Nacional de Imunização (PNI).

Confira o último ‘vacinômetro’ de Pouso Alegre: 

Ministério da Saúde diz que segunda dose está atrasada

Esta semana, o Ministério da Saúde revelou que cerca de 1,5 milhão de brasileiros já deveriam ter tomado a segunda dose das vacinas contra a Covid-19. Os dois imunizantes hoje aplicados no Brasil, a CoronaVac e a AstraZêneca/Oxford necessitam de duas doses para garantir a proteção completa.

O intervalo entre a primeira e a segunda dose da CoronaVac deve ser de 21 a 28 dias, no caso da AstraZêneca, esse prazo é de três meses.

O Ministério da Saúde não deixou claro o motivo desse atraso, se ele se deve apenas ao não comparecimento das pessoas aos postos de vacinação ou se tem alguma relação com o PNI.

É importante ressaltar que desde que se iniciou a vacinação, quando o ministro à frente da pasta ainda era o general Pazzuelo, por diversas vezes, o MS orientou que os municípios utilizassem todas as doses recebidas para a primeira aplicação e acabou voltando atrás em diversos momentos.

A mudança nas quantidades de doses para primeira e segunda aplicação, portanto, pode ser um indicativo que parte do problema se originou no Plano Nacional de Vacinação.

Continuar lendo

Mais lidas