® 2021 Rede Moinho 24 • Notícias de Pouso Alegre e região •

Saúde

Regional de Pouso Alegre recebe vacinas para imunizar idosos com mais de 90 anos

Publicado

no dia

Regionais de saúde recebem nova remessa da CoronaVac | Foto: Fábio Machetto

Governo de Minas espera vacinar cerca de 100 mil idosos em mais uma rodada de vacinação contra a Covid-19

Uma nova remessa de vacinas contra Covid-19 começou a chegar nesta terça-feira, 09, nas regionais de saúde de Minas Gerais, dentre elas a de Pouso Alegre. Ao todo, o estado está dividindo 315,6 mil doses da CoronaVac entre 28 Unidades Regionais de Saúde (URSs).

Essa é a quarta remessa enviada pelo Ministério da Saúde. Além dos trabalhadores da saúde, dessa vez as doses devem ser disponibilizadas para idosos com mais 90 anos.

A expectativa do governo de Minas é de que mais de 100 mil idosos sejam contemplados na nova etapa de vacinação. Na tarde de hoje, a prefeitura de Pouso Alegre começou a divulgar um link de cadastramento online para que idosos com mais de 60 anos se registrem para receber o imunizante.

Logística

Os aviões, em direção às unidades regionais, começaram a sair do Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, por volta das 11h30. A logística, desenvolvida pelas Forças de Segurança do Estado (Policia Militar de Minas Gerais, Policia Civil de Minas Gerais, Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, Gabinete Militar do Governador e Coordenadoria Estadual de Defesa Civil), levou em consideração a efetividade de entrega dos imunizantes para a população.

O secretário adjunto de Saúde de Minas Gerais, Marcelo Cabral, explicou que uma equipe foi montada com representantes de todas as Forças de Segurança do Estado para auxiliar na distribuição da vacina de forma mais efetiva.

Além da regional de Pouso Alegre, receberam o novo lote de vacinas as unidades de Belo Horizonte, Uberlândia, Uberaba, Ituiutaba, Montes Claros, Januária, Pirapora, Varginha, Divinópolis e Sete Lagoas. Já nesta quarta (10), outras 17 regionais devem receber.

Saúde

Pouso Alegre chega a 106 mortes e leitos clínicos e de UTI vão a 96% de lotação

Publicado

no dia

Equipes de saúde responsáveis pela vacinação contra a Covid-19 chegam à casa de idoso na zona rural de Pouso Alegre | Imagem: reprodução

Cidade voltou a ter segunda pior semana da pandemia em número de novos casos, com mais 420 infecções confirmadas. Restam apenas dois leitos clínicos e um leito de UTI para tratar infectados pela Covid-19 na cidade. Em 96%, taxa de ocupação hospitalar é maior já registrada na pandemia

 

O quadro da pior fase da pandemia em Pouso Alegre segue se deteriorando. A cidade registrou mais uma morte atribuída à Covid-19 e tem, agora, 106 óbitos acumulados. Além disso, os leitos clínicos e de UTI reservados para o tratamento da doença atingiram a sua maior taxa de ocupação, ambos com 96% de suas unidades utilizadas.

 

A segunda onda da pandemia na cidade já dura 14 semanas, superando de longe a primeira, entre julho e setembro, que durou 10. Ao todo, Pouso Alegre já acumula um total de 7.462 casos de Covid-19. Desse montante, o município considera que 6.838 pessoas já se recuperaram da infecção e outras 518 seguem em acompanhamento.

Com base nos números divulgados entre os dias 1 e 5 de março pela Prefeitura, a 50ª semana da pandemia na cidade registrou um total de 420 novas infecções. O número é o segundo pior de toda a crise de saúde, ficando atrás apenas dos 470 casos confirmados entre os dias 11 e 15 de janeiro.

Ocupação hospitalar

 

A taxa de ocupação hospitalar atingiu seu maior índice tanto em relação aos leitos clínicos quanto em relação às unidades de Tratamento Intensivo (UTIs). Dos 60 leitos clínicos disponíveis para a Covid-19, 58 estão ocupados; dos 32 reservados na UTI, 31 abrigam pacientes.

Os dados constam no boletim epidemiológico divulgado na noite deste sábado pela Prefeitura. Os números são relativos a esta sexta-feira, 05. Confira:

Continuar lendo

Saúde

Com mais duas mortes, Pouso Alegre chega a 105 óbitos por Covid-19

Publicado

no dia

Além de novos óbitos, cidade voltou a superar 90% de ocupação hospitalar para leitos clínicos e de UTI destinados ao tratamento da Covid-19

Sem dar trégua, a pandemia de Covid-19 segue fazendo vítimas em Pouso Alegre. Nesta sexta-feira, 05, a cidade confirmou mais duas morte atribuídas à doença e tem, agora, 105 óbitos acumulados por conta da infecção.

E as notícias também não são animadoras quanto à taxa de ocupação hospitalar. A UTI segue com 93,7% de ocupação, 30 de 32 leitos estão em uso; já os leitos clínicos foram a 90% de utilização, com 54 de 60 ocupados.

 

Os dados constam no boletim epidemiológico divulgado nesta sexta-feira, 05. As informações, no entanto, são referentes a quinta-feira, 04.

O levantamento mostra ainda que, entre quarta e quinta-feira, a cidade registrou mais 118 casos da doença, dando mostras de que as novas contaminações seguem aceleradas.

 

No acumulado da pandemia, o município já soma 7.377 infecções pelo novo coronavírus. Desse montante, considera-se que 6.807 pessoas se recuperaram da doença; outras 465 seguem em acompanhamento.

 

Justiça suspende aulas presenciais na cidade

Nesta sexta-feira, 05, o TJMG, por meio de decisão monocrática do desembargador  Alberto Vilas Boas, suspendeu as aulas presenciais em Pouso Alegre nas redes pública e privada de ensino.

A medida atendeu a um pedido de liminar do Sipromag, sindicato que representa os profissionais da educação na cidade. O colegiado do tribunal ainda deve se debruçar sobre o mérito da questão.

Em sua decisão, Alberto Vilas Boas, que é relator da ação, levou em conta os indicadores epidemiológicos da cidade. Segundo ele, não caberia ao judiciário intervir em decisões do Executivo. No entanto, ainda que não haja ilegalidades na tomada de decisão da Prefeitura, o retorno às aulas foi precipitado, segundo o magistrado, e sua suspensão garantiria que não sejam ofendidos “direitos fundamentais à vida, saúde e à integridade das pessoas”.

Continuar lendo

Política

Pouso Alegre adere a consórcio nacional de municípios para compra de vacinas

Publicado

no dia

Consórcio de municípios foi criado pela Frente Nacional de Prefeitos para comprar vacinas e garantir imunização contra Covid-19 caso o governo federal não consiga atender a demanda

A Prefeitura de Pouso Alegre aderiu ao consócio nacional de municípios para compra de vacinas. O nome da cidade consta na lista final divulgada há pouco pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP).

Os municípios tinham até esta sexta-feira, 05, para aderir ao consórcio. 30,1% dos municípios brasileiros manifestaram interesse em aderir à iniciativa, um total de 1.772 cidades, 337 delas de Minas Gerais.

Até o momento, Pouso Alegre recebeu vacina para 8.261 primeiras doses, o equivalente a 5,42% de sua população; e 4.451 segundas doses, suficiente para 2,92% dos pouso-alegrenses. Por isso, o imunizante ainda é restrito a profissionais de saúde e idosos acima de 80 anos.

> Confira a lista dos municípios que aderiram ao consórcio

Para consolidar a adesão ao consórcio, que deve ser instalado até o dia 22 de março, Pouso Alegre tem agora um roteiro a seguir. A começar pela aprovação de uma legislação própria. A FNP envia nesta sexta-feira, para os municípios que fizeram a adesão, uma minuta do projeto de lei que deve ser aprovado pelas câmaras municipais.

Não há nenhum custo para adesão dos municípios ao consórcio. Os processos legais e sua constituição serão custeados pela FNP, que reúne 412 municípios com mais de 100 mil habitantes no país.

Já a compra de vacinas poderá ser feita por meio de financiamento do governo federal, instâncias internacionais, divisão de custos entre os municípios membros do consórcio e até o apoio da iniciativa privada.

Mobilização dos municípios por vacina

A mobilização em torno da compra de vacinas é uma reação à lentidão do governo federal e tem chancela do Supremo Tribunal Federal (STF), que, no final de fevereiro, deu sinal verde para que estados e municípios comprem os imunizantes contra o coronavírus caso o governo federal não cumpra o Plano Nacional de Imunização (PNI) ou no caso de as doses disponíveis serem insuficientes.

“Queremos que o governo vá atrás de todas as vacinas. O que não pode é os prefeitos ficarem de braços cruzados. Superamos o debate se a vacina faz mal ou não. A população quer se vacinar. Em sua ampla maioria, a população sabe que a vacinação é a solução para o problema”, defende Jonas Donizette, presidente da FNP.

Financiamento das vacinas

A frente deve buscar diversas alternativas para custear a compra das vacinas, passando por financiamento do governo federal, instâncias internacionais, divisão de custos entre os municípios membros do consórcio e até o apoio da iniciativa privada.

De acordo com Donizette, o consórcio vai trabalhar com todas as vacinas disponíveis que já tenham a aprovação de organismos internacionais e desde que não estejam no escopo das vacinas já assimiladas pelo Ministério da Saúde para o PNI.

“Temos a palavra do ministro de que não faltaria dinheiro para a compra de vacinas. Se conseguirmos os recursos do governo federal, todas vão para o Programa Nacional de Imunização (PNI). Se não, os municípios que entrarem com cota de participação receberão doses proporcionais ao investimento que fizeram”, afirmou ao Tempo.

Continuar lendo

Mais lidas