Política

Com 70 mil na fila por atendimentos, Pouso Alegre se filiará a novo consórcio de saúde

Publicado

no dia

Imagem: divulgação/arquivo

Pouso Alegre vai se filiar a um novo consórcio de saúde, o CISLAGOS. A medida é uma tentativa de reduzir a enorme fila de espera por exames e assistência em especialidades médicas. Hoje, mais de 70 mil pouso-alegrenses aguardam por um desses atendimentos em saúde.

> Siga o R24 no Instagram
> Acesse o canal do R24 no WhatsApp
> Acesse a Comunidade de WhatsApp do R24

O primeiro passo para a adesão formal ao consórcio foi dado na noite desta terça-feira, 25, com a aprovação pela Câmara de Vereadores do projeto de lei que autoriza o município a integrar o CISLAGOS. A proposta foi aprovada por 8 votos a 5.

Atualmente, o município já integra o Consórcio Intermunicipal de Saúde dos Municípios do Médio Sapucaí (Cisamesp), mas de acordo com o governo Cel. Dimas (Republicanos), a adesão a um segundo consórcio ampliaria as possibilidades de o município ofertar serviços de saúde em um momento de forte pressão na demanda por exames e especialidades médicas.

Como fica implícito no nome, o CISLAGOS é formado por uma maioria de município da região dos Lagos do Sul de Minas, no entorno de Alfenas. São 50 municípios consorciados, abrangendo uma população que, com a adesão de Pouso Alegre, passará de 1 milhão. O balanço de 2023 do consórcio aponta que ele realizou um total de 115 mil.

Com a adesão ao consórcio, Pouso Alegre destinará ao CISLAGOS o valor de R$ 750 mil anual, equivalente a 1% de seu Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Bancada ligada a Simões questiona ingresso do município ao CISLAGOS

Os vereadores ligados ao deputado federal Rafael Simões (União), votaram contra o ingresso do município no CISLAGOS. Leandro Morais, Bruno Dias, Wesley do Resgate e Odair Quincote, todos do União Brasil, questionaram o motivo de o projeto não ter tido maior tempo de discussão.

O grupo também sugeriu que o município vai deixar de investir no fortalecimento de entidades com funcionamento local, como o próprio Cisamesp, para investir em um consórcio que obrigará o município a deslocar pacientes para outras cidades da região, já que a maior parte dos atendimentos ofertados pelo CISLAGOS fica em municípios como Alfenas, Machado, Paraguaçu e Poço Fundo.

A base de apoio do prefeito Cel. Dimas, por sua vez, defendeu que a adesão ao CISLAGOS não comprometeria o trabalho já realizado no Cisamesp e ressaltou que os consórcios terão autonomia entre si. Além disso, destacou que o novo consórcio oferece alguns serviços não ofertados pelo Cisamesp, como pediatria de alto risco, nefrologia, neuropediatria, neuropsicologia, entre outros.

Influência de Simões

Nenhuma das bancadas deixou claro, mas, para além das filas de milhares de pessoas aguardando por atendimento médico, o tema tem sim uma dimensão política não aparente.

Assim como hoje mantém influência absoluta sobre o Hospital das Clínicas Samuel Libânio (HCSL), Rafael Simões também estendeu seu controle político sobre o Cisamesp, chegando a ser presidente do consórcio antes de se eleger deputado federal.

A ida de Pouso Alegre para o CISLAGOS, portanto, é também uma forma de a gestão Dimas se afastar da influência de Simões, hoje seu maior rival político.

Quer receber notícias de Pouso Alegre e região e ser informado sobre as vagas de emprego diretamente no seu WhatsApp? Acesse o canal do R24 no WhatsApp


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Canal do WhatsApp| Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Mais lidas

Sair da versão mobile