® 2021 Rede Moinho 24 • Notícias de Pouso Alegre e região •

Política

Prefeitura volta a falar em romper contrato com a Copasa e registra B.O. contra a empresa

Publicado

no dia

A Prefeitura de Pouso Alegre (MG) voltou a falar em romper o contrato com a Copasa, a Companhia de Água e Saneamento de Minas Gerais. O tema é colocado na mesa pelo município após diversos bairros da cidade enfrentarem problemas de abastecimento, parte deles ocasionada pelas chuvas do início de ano.

Nesta sexta-feira, 21, o prefeito Rafael Simões (DEM), seu vice, Dimas Fonseca (PSDB) e vereadores da base aliada na Câmara visitaram o bairro Cidade Jardim, um dos mais afetados pelo desabastecimento.

Na região, um condomínio está há pelo menos duas semanas sem abastecimento regular de água depois que uma adutora da Copasa se rompeu durante as chuvas do início do ano. A companhia tem utilizado caminhões pipas para que não falte água no local, mas os moradores relatam que tem sido necessário usar até água da piscina para as atividades diárias.

Disposta a abrir uma nova ofensiva contra a companhia, a administração Simões empenhou a comunicação da Prefeitura para colher depoimentos de moradores e distribuir o material para a imprensa. Ação idêntica foi realizada pela comunicação da Câmara de Vereadores.

Na ação mais concreta, porém, os políticos reuniram lideranças do bairro e registraram um boletim de ocorrência contra a Copasa. Além disso, o prefeito Rafael Simões pediu que moradores de todas as regiões da cidade denunciem a má prestação de serviço da Copasa para subsidiar a rescisão do contrato com a empresa.

O prefeito, que fala em rescindir o contrato com a companhia e ceder o ser viços a outra empresa desde 2019, garante que desta vez não abrirá novo diálogo.

“Nós recebemos reclamações constantes sobre a falta de água no bairro. Quero deixar claro que não tem conversa mais com a Copasa. Já foram milhões de multas para a empresa e vamos rescindir o contrato. Para isso, precisamos de mais denúncias e peço à população que denuncie no site da prefeitura, a falta de água, a água suja, o esgoto sendo jogado na nossa natureza, o estrago nos asfaltos e outros”, apelou aos moradores.

Município inclui link da Controladoria Geral da União para colher denúncias contra a Cemig e a Copasa

No movimento contra a Copasa, o município pede que os moradores denunciem a Copasa no site do município, onde foi incluído um banner com link para o site de denúncias da Controladoria Geral da União (CGU), o Fala.br. Ao clicar no banner, o morador é direcionado para o site da CGU e consegue direcionar a denúncia para a Prefeitura de Pouso Alegre.

Atualmente, o contrato mantido entre o município e a companhia tem vigência até o ano de 2046.

> Acesse aqui a área de denúncias

 

Prefeitura insere banner com link para moradores fazerem denúncias contra a Copasa

 


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram

Publicidade
Comentários

Minas

DATATEMPO: Zema perde dois pontos, mas ainda venceria no primeiro turno

Publicado

no dia

Nova pesquisa DATATEMPO, divulgada na noite desta terça-feira, 10, mostra que o governador Romeu Zema (Novo) segue na liderança folgada da corrida eleitoral de 2022 para o Palácio da Liberdade.

No levantamento estimulado, quando são apresentados os nomes dos possíveis candidatos para os entrevistados, Zema aparece com 43,5% dos votos, contra 22,8% do ex-prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD). Eles são seguidos de Carlos Viana (PL), 4,2%, Renata Regina (PCB), 3,6%, Miguel Corrêa (PDT), 2,1%.

Os que não souberam responder somaram 13,1%, enquanto outros 10,6% afirmam que vão votar em branco ou nulo.

Na pesquisa anterior do DATATEMPO, feita em novembro, Zema tinha 45,7%. Os 2,2 pontos perdidos estão praticamente dentro da margem de erro do levantamento, que é de 2,19%. Já Kalil se manteve praticamente estável no mesmo período, oscilando de 22,9% para 22,8%.

Se fossem considerados os votos válidos, que é aquele considerado pela Justiça Eleitoral, quando são excluídos brancos e nulos, Zema teria 57,1% contra 29,8% de Kalil, vencendo o pleito no primeiro turno.

Pesquisa estimulada:

  • Romeu Zema (Novo): 43,5%
  • Alexandre Kalil (PSD): 22,8%
  • Carlos Viana (PL): 4,2%
  • Renata Regina (PCB): 3,6%
  • Miguel Corrêa (PDT): 2,1%

Espontânea

Quando os entrevistados são perguntados sobre o voto sem que lhes sejam apresentados nomes, no chamado levantamento espontâneo, Zema aparece com 19,5%.

O desempenho é o pior já registrado pelo mandatário desde julho do ano passado e representa uma queda de 10,9% na comparação com novembro do ano passado, quando o político registrava 30,4% das intenções de voto.

Com Kalil, o movimento foi o inverso. Ele registrava 4,6% em novembro, agora, chegou a 8,2%.

A queda brusca de Zema na espontânea coincide com o período mais turbulento de seu governo, quando ele teve que lidar com greves da segurança pública, educação e saúde, se envolveu em tensos embates com a Assembleia de Minas e polêmicas em torno da mineração na Serra do Curral.

Segundo turno

Na projeção para o segundo turno, Zema vence seus oponentes nos dois cenários testados: 49,8% contra 32,7% de Kalil e 57,75% contra 17,8% de Carlos Viana. Num terceiro cenário testado, entre Viana e Kalil, o ex-prefeito da capital mineira venceria por 44,22% contra 21,8%.

A pesquisa foi realizada com 2 mil entrevistas presenciais, entre os dias 30 de abril e 5 de maio. A margem de erro é de 2,19% e o seu intervalo de confiança é de 95%. Ela foi registrada sob os números: TSE BR-00720/2022 TRE-MG MG-01720/2022.


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Continuar lendo

Minas

PSDB pode retirar apoio a Zema e lançar chapa própria ao governo de Minas

Publicado

no dia

Partido pode lançar Marcus Pestana para governador e Paulo Brant para senador | Foto: divulgação

Atualmente na base de apoio de Romeu Zema (Novo), o PSDB pode optar por lançar chapa própria ao governo de Minas. A candidatura ao governo estadual, ocupado por 16 anos no pós-democratização pela legenda, deve ser encabeçada pelo ex-deputado Marcus Pestana, um dos quadros mais tradicionais do partido em Minas.

Foi o próprio político que revelou ao jornal ‘O Tempo’ a decisão da legenda. “Está decidido que vamos lançar uma chapa. Até o final de maio, nós vamos conversar com os aliados. Os dois nomes que fariam parte da chapa sou eu e o vice-governador Paulo Brant. Um como governador, outro como senador”, declarou Pestana ao jornal.

A definição pela candidatura própria teria sido definida em um encontro em Brasília, que reuniu a bancada mineira na capital federal e o pré-candidato do partido à Presidência da República, João Dória.

O mais provável, caso o partido de fato opte pela candidatura própria, é que a sigla lance Pestana para o governo e Paulo Brant, o atual vice-governador, para o senado. A configuração exata, porém, depende de negociações a serem feitas com outras siglas.

A coordenação da chapa será conduzida pelo presidente do PSDB em Minas, Paulo Abi-Ackel. Caberá a ele aglutinar mais partidos para o projeto. Na mira da articulação tucana estão legendas como o União Brasil, PDT, Avante e Podemos.

Caso a candidatura se consolide, os tucanos também terão em suas fileiras o Cidadania, junto do qual formaram uma federação partidária.

Ruptura

O novo posicionamento do PSDB reflete a dificuldade que o governador Romeu Zema tem tido em fechar apoio em torno de sua candidatura, apesar de as pesquisas apontá-lo como franco favorito nas eleições deste ano, estando com sua reeleição encaminhada.

Os constantes conflitos com a Assembleia e a resistência de Zema e de seu partido, o Novo, em selar acordos políticos pesam contra articulação da campanha do governador. A possibilidade de ter seu vice como adversário na corrida eleitoral poderá ser o símbolo maior da ausência de traquejo político do atual mandatário.


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Continuar lendo

Economia

Inflação pressiona Prefeitura de Pouso Alegre a reajustar contratos entre 10 e 12%

Publicado

no dia

Funcionário opera máquina em obra de revitalização da Perimetral | Foto: Ascom/PMPA

Como já era previsto pela Secretaria Municipal de Administração e Finanças (SMAF) da Prefeitura de Pouso Alegre (MG), a mesma inflação que levou a um aumento inesperado da arrecadação em 2021, agora pressiona os preços e obriga o município a reajustar contratos de obras, aquisição de insumos e serviços.

Com a atualização dos preços, é necessário mexer no orçamento deste ano. Para se ter uma ideia, apenas para a readequação de preços em um conjunto de obras de infraestrutura – drenagem do Colina Verde; drenagem e pavimentação do Bairro São João, drenagem do bairro Monte Azul;  pavimentação/recapeamento e drenagem da Rua Antônio Scoldeler e drenagem; e pavimentação da Estrada Velha do Aeroporto –  o município precisou suplementar as fontes de recursos dessas ações em R$ 1,76 milhões.

E, apesar de a atualização de grandes contratos chamar mais atenção, o movimento é generalizado. As correções atingem desde itens  de insumo administrativo, como a aquisição de papel sulfite, até a compra de gêneros alimentícios para a merenda escolar. Com a inflação dos alimentos ainda mais acelerada, em alguns casos, os itens da merenda chegaram a quase que dobrar de valor.

De acordo com a SMAF, a correção geral nos preços deve girar em torno dos 10 a 12%, próximo do apurado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) nos últimos 12 meses, até março, que ficou em 10,54%.

Com superávit, município tem espaço fiscal para absorver inflação

O município virou o ano com cerca de R$ 350 milhões em caixa, sendo uma parte desses recursos resultado de superávits em anos anteriores e outra do aumento de arrecadação apurado em 2021, seja pelo desempenho econômico da cidade, seja pelo aumento da inflação.

Com o caixa reforçado, o município deve absorver o impacto da inflação sobre os contratos com alguma tranquilidade, mas terá que abrir mão de algumas ambições.

Isso fica claro, por exemplo, na suplementação dos contratos de obras de infraestrutura. Os cerca R$ 1,76 milhão remanejado para essas ações foram retirados de economias que, até então, haviam sido reservadas para a aquisição de imóveis pelo município.


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram

Continuar lendo

Mais lidas