Prefeitura de Pouso Alegre estuda fazer concessão do Cristo Redentor

Previous
Next
Previous
Next

Política

Prefeitura de Pouso Alegre estuda fazer concessão do Cristo Redentor

Publicado

no dia

Imagem: divulgação/Ascom/PMPA

A Prefeitura de Pouso Alegre estuda fazer a concessão do Cristo Redentor à iniciativa privada. Se decolar, a ideia seguirá o mesmo modelo que a Prefeitura tem adotado para outras tentativas de concessão, o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), um edital de chamamento público em que empresas interessadas apresentam propostas de investimento e formatos de exploração comercial do espaço público.

> Siga o R24 no Instagram
> Acesse o canal do R24 no WhatsApp
> Acesse a Comunidade de WhatsApp do R24

Uma comissão especial já foi formada para a escolha dos projetos a serem apresentados pela iniciativa privada. Representantes de seis secretarias integram o grupo: Comunicação Social, Lazer e Turismo; Desenvolvimento Econômico; Trânsito e Transporte; Obras e Infraestrutura; Planejamento Urbano e Meio Ambiente; e Finanças.

Os estudos se dão em meio ao esforço do município em fortalecer o turismo local. Uma das apostas nesta seara se dá em torno da campanha ‘Vem Pra Pouso Alegre’, iniciativa que tenta fomentar o setor, promovendo atrativos culturais e pontos turísticos da cidade.

No caminho da concessão, Pouso Alegre pode estar seguindo Poços de Caldas. Ano passado, o município assinou contrato com a empresa Citur (Circuito Integrado do Turismo de Poços de Caldas), que assumiu por um período de 35 anos a administração dos pontos turísticos daquela cidade, entre eles o Cristo Redentor local.

A promessa por lá é de geração de 300 empregos diretos e indiretos e R$ 20 milhões em impostos para os cofres públicos, além de novos investimentos nos espaços turísticos. Por outro lado, os moradores passaram a ter que pagar por algumas atividades nesses pontos turísticos.

De estátua que caiu à 3ª maior do Brasil: as agruras do Cristo de Pouso Alegre

Vista área do Cristo | Foto: Ascom/PMPA

Inaugurada no ano 2000, a atual estátua do Cristo Redentor de Pouso Alegre tem 33 metros de altura e está localizada na serra próxima ao bairro São João, a cerca de 1,2 mil metros de altitude, em um mirante que tem vista panorâmica para a cidade.

Mas a atual não é a primeira estátua a ser erguida no local. Um ano antes, a cidade se preparava para erguer um outro monumento ao Cristo, com a maior parte da obra custeada por comerciantes e a base estrutural pela Prefeitura. Sua construção, porém, não chegou ao fim. Em 31 de outubro de 1999, Dia das Bruxas, sua estrutura não resistiu e a estátua semiacabada desmoronou.

Foi uma queda para lá de simbólica. Até pelo histórico, o Cristo de Pouso Alegre representa um anseio, especialmente dos comerciantes locais, mas que se reflete na comunidade como um todo, de dotar a cidade de um atrativo turístico de maior monta. Não tê-lo é como uma lacuna – e um certo desalento – para um polo regional que tem sua economia assentada na indústria de transformação e serviços ligados à educação, saúde e negócios.

Ao longo dos anos, no entanto, o desejo nunca se converteu em realidade. Pelo contrário, o espaço esteve abandonado a maior parte da última década. A estátua se deteriorava a olhos vistos. Se arrastou pelos anos muito em função do trabalho de grupos independentes, que se lançaram em mutirões para cuidar minimamente da conservação da estátua.

Foi só no final de 2021 que a estátua passou por uma restauração mais consistente. E o investimento, mais uma vez, não veio dos cofres públicos, mas da empresa Cimed, que patrocinou a reforma e deu sua emblemática cor amarela à base do monumento.

Agora, sob o slogan ‘Vem Pra Pouso Alegre’, o município volta a mirar um novo caminho para o turismo local e o Cristo Redentor pode, de novo, se converter no símbolo máximo desse esforço.

Quer receber notícias de Pouso Alegre e região e ser informado sobre as vagas de emprego diretamente no seu WhatsApp? Acesse o canal do R24 no WhatsApp


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Canal do WhatsApp| Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Política

Operação no Sul de Minas e São Paulo mira esquema que desviou milhões da Saúde

Publicado

no dia

Imagem: reprodução

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) deflagrou nesta sexta, 24, a operação Resgate, com o objetivo de aprofundar as investigações acerca de um grupo criminoso que movimentou pelo menos R$ 17 milhões em desvios de recursos da saúde pública.

> Siga o R24 no Instagram
> Acesse o canal do R24 no WhatsApp
> Acesse a Comunidade de WhatsApp do R24

Os mandados foram cumpridos nas cidades de Alfenas e Fama, no Sul de Minas, e Ubatuba e Limeira, em São Paulo. As ordens judiciais contra os suspeitos abarcam cinco prisões preventivas, 12 mandados de busca e apreensão, sequestro e arresto de ativos (R$ 15 milhões), imóveis, carros, motocicletas, jet-skis, lanchas e outras embarcações utilizadas pelo grupo criminoso.

De acordo com o MP, o suposto esquema envolve, até o momento, 15 pessoas, organizações da sociedade civil (OSC) e empresas. Os indícios apontam para utilização de ‘laranjas’ e empresas com intuito de desviar recursos, dissimular e ocultar os reais beneficiários dos crimes, movimentando mais de R$ 17 milhões, nos estados de Minas Gerais e São Paulo.

Operação conjunta mobilizou diversas foças

A operação contra o suposto grupo criminoso envolveu diversas forças de investigação e de segurança.  Ela foi foi deflagrada a partir da atuação da 6ª Promotoria de Justiça de Alfenas, com apoio do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (Caoet), por meio da Coordenadoria Estadual de Rastreamento de Ativos e Combate à Lavagem de Dinheiro (Cora-LD), com apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Passos e Varginha e do Gaeco de São Paulo, Polícia Militar e Polícia Civil.

Participaram das atividades desta sexta-feira: dez promotores de Justiça, cinco servidores do MPMG, dois delegados, 13 policiais civis e 50 policiais militares.

Quer receber notícias de Pouso Alegre e região e ser informado sobre as vagas de emprego diretamente no seu WhatsApp? Acesse o canal do R24 no WhatsApp


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Canal do WhatsApp| Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Continuar lendo

Política

Prefeitura inaugura Centro Integrado de Defesa Social na próxima segunda

Publicado

no dia

Imagem: Ilustração/Pixabay

A Prefeitura de Pouso Alegre (MG) inaugura na próxima segunda-feira, 27, o Centro Integrado de Defesa Social. O prédio vai funcionar na região central da cidade e contará com uma central de comando que vai captar imagens registradas por 174 câmeras espalhadas por todas as regiões do município.

> Confira o especial Eleições 2024
> Siga o R24 no Instagram
> Acesse o canal do R24 no WhatsApp
> Acesse a Comunidade de WhatsApp do R24

O centro já havia sido anunciado pelo prefeito Cel. Dimas (Republicanos) durante o lançamento de sua pré-candidatura à reeleição, reforçando a segurança pública como um dos motes de sua plataforma eleitoral. Cel. Dimas classificou a medida como sendo “uma muralha de proteção da cidade”.

Volta da Guarda Municipal

A criação do Centro Integrado de Defesa Social se soma a outra medida de impacto anunciada pelo atual prefeito para o setor. Também no lançamento de sua pré-candidatura, ele afirmou que já determinou a elaboração de um edital para recriação da Guarda Municipal.

Segundo ele, a corporação estará de volta com a missão de aumentar a sensação de segurança dos moradores especialmente em praças e parques públicos.

Quer receber notícias de Pouso Alegre e região e ser informado sobre as vagas de emprego diretamente no seu WhatsApp? Acesse o canal do R24 no WhatsApp


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Canal do WhatsApp| Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Continuar lendo

Minas

‘Zema caloteiro’: por aumento real de salario, policiais  protestam em Pouso Alegre

Publicado

no dia

Manifestações se repetiram em diversas cidades de Minas. Na imagem, manifestação em Pouso Alegre (à esq.) e na ALMG, em Belo Horizonte (à dir.) | Imagens: reprodução de redes sociais

Os servidores estaduais seguem demonstrando sua insatisfação com a proposta de recomposição salarial apresentada pelo governo Zema, de 3,62%.

Reverberando atos realizados em outras cidades mineiras, nesta terça-feira, 21, policiais civis, militares, penais e bombeiros, ativos e inativos, se reuniram no centro de Pouso Alegre para protestar contra o reajuste e exigir um aumento maior. A categoria também se insurge contra proposta do governo Zema de aumentar a contribuição previdenciária dos militares (veja vídeo a seguir).

> Siga o R24 no Instagram
> Acesse o canal do R24 no WhatsApp
> Acesse a Comunidade de WhatsApp do R24

O ato em Pouso Alegre reuniu agentes das forças de toda a região e se concentrou na Praça Senador José Bento e percorreu algumas ruas centrais, passando em frente aos prédios da Polícia Militar e da Polícia Civil.

A classe alega que este pode ser o oitavo ano sem aumento real de salário. Para piorar, o reajuste proposto por Zema, de 3,62%, é inferior à inflação registrada em 2023, quando o índice ficou em 4,62%.

A relação das forças de segurança com o governo Zema, que nunca foram tranquilas, voltam a se deteriorar. A medida da insatisfação da categoria ficou evidente nas palavras de ordem entoadas pelo centro de Pouso Alegre. Um aviso: “A policia vai parar”; e uma ofensa: “Zema caloteiro, devolve o meu dinheiro”.

Em um vídeo que ganhou as redes sociais, um manifestante compara o reajuste que Zema deu ao próprio salário e o que está oferecendo aos servidores: “298% de aumento pra ele e 3,62% pra quem vai pra rua atrás de bandido, né”, aponta o manifestante revoltado.

Proposta de reajuste passa em primeira comissão da Assembleia

Apesar da enorme pressão feita pelos servidores, a proposta de reajuste do governo Zema foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa de Minas (ALMG).

Para ser aprovado, o texto ainda terá que passar pelas comissões de Administração Pública e de Fiscalização Financeira e Orçamentária, para só então ir ao plenário, onde será votada em dois turnos.

A votação na CCJ se deu em meio a protestos dos servidores estaduais, que estiveram na assembleia para acompanhar a votação.

Quer receber notícias de Pouso Alegre e região e ser informado sobre as vagas de emprego diretamente no seu WhatsApp? Acesse o canal do R24 no WhatsApp


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Canal do WhatsApp| Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Continuar lendo

Mais lidas