Cel. Dimas confirma retorno da Guarda Municipal com centro integrado de segurança

Previous
Next
Previous
Next

Política

Cel. Dimas confirma retorno da Guarda Municipal com centro integrado de segurança

Publicado

no dia

Como o R24 já havia adiantado em fevereiro, Pouso Alegre deve ter a volta da Guarda Municipal ainda este ano. A confirmação do retorno da corporação foi feita pelo prefeito Cel. Dimas (Republicanos) na manhã desta terça-feira, 09, durante coletiva de imprensa em que foi anunciado o calendário de eventos da cidade para o ano de 2024 – veja o vídeo abaixo.

> Siga o R24 no Instagram
> Acesse o canal do R24 no WhatsApp
> Acesse a Comunidade de WhatsApp do R24

Dimas falou sobre o assunto ao responder sobre investimentos públicos no contexto da realização de shows gratuitos em Pouso Alegre. “Este ano, nós vamos investir na parte da segurança do cidadão, com o retorno da Guarda Municipal, o Centro Integrado de Segurança Pública (…)”, afirmou o político, emendando que este seria um assunto para “a próxima pauta”, dando a entender que um anúncio mais completo sobre o tema deverá ser feito em breve.

Na prática, o primeiro passo para recriação da Guarda Municipal foi dado ainda em fevereiro deste ano, com a criação da Superintendência de Defesa Civil e Social. Dentre as atribuições da pasta, estão ações de polícia administrativa, segurança pública, incluindo seu planejamento, execução da política municipal de defesa social, ‘visando à proteção da vida, do patrimônio, da integridade das pessoas e seus direitos básicos’.

Além disso, também no início do ano, a Prefeitura anunciou a contratação de uma empresa especializada em sistema de monitoramento por vídeo e coleta de placas de automóveis. O município promete povoar de câmeras de monitoramento as áreas urbana e rural da cidade, com uma infraestrutura que certamente fará parte do ‘Centro Integrado de Segurança Pública’.

Segurança pública preocupa moradores

Embora Pouso Alegre não seja uma cidade com altos índices de violência, a segurança pública é uma preocupação que entrou na pauta do dia dos moradores, especialmente por conta de algumas ondas de assalto que ocorrem especialmente no centro da cidade, mas também em estabelecimento comerciais espalhados pelos bairros.

Não por acaso, o prefeito Cel. Dimas deve empunhar a segurança pública como uma de suas plataformas para a tentativa de reeleição. E ele tem muitos motivos para fazer isso. Primeiro, que sua origem na Polícia Militar lhe dá legitimidade para conduzir o debate; segundo, que seu principal adversário político, Rafael Simões (União Brasil), foi o responsável por extinguir a Guarda Municipal e colocar no lugar uma empresa privada de segurança armada cuja vigilância se restringe ao patrimônio público e sequer tem conseguido abranger este segmento.

A extinção da Guarda

A Guarda Municipal foi extinta no ano de 2019, pelo então prefeito Rafael Simões (União Brasil). Se trouxer a corporação de volta, Cel. Dimas estará desfazendo uma das ações mais controversas de seu ex-aliado e hoje principal adversário político.

Quando optou por extinguir a Guarda Municipal, a administração do então prefeito elencou três argumentos principais: redução de gastos devido à crise financeira atravessada pelo estado de Minas Gerais; impossibilidade cumprir as exigências da Lei Federal 13.022 de 2014, que criou o Estatuto Geral das Guardas Municipais; por fim, afirmou que a corporação não cumpriria com seus propósitos, apontando uma série de atos criminosos de vandalismo em prédios públicos naquele período.

À época, o sindicato que representa a categoria, o Sisempa, rebateu todos os argumentos, apontando que o município não enfrentava dificuldades financeiras e que ainda poderia ser beneficiado com verbas federais caso optasse por se adequar ao Estatuto das Guardas Municipais. Para o sindicato, o desejo real da Prefeitura era o de terceirizar o serviço, o que acabou acontecendo nos meses seguintes.

Quer receber notícias de Pouso Alegre e região e ser informado sobre as vagas de emprego diretamente no seu WhatsApp? Acesse o canal do R24 no WhatsApp


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Canal do WhatsApp| Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Política

Operação no Sul de Minas e São Paulo mira esquema que desviou milhões da Saúde

Publicado

no dia

Imagem: reprodução

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) deflagrou nesta sexta, 24, a operação Resgate, com o objetivo de aprofundar as investigações acerca de um grupo criminoso que movimentou pelo menos R$ 17 milhões em desvios de recursos da saúde pública.

> Siga o R24 no Instagram
> Acesse o canal do R24 no WhatsApp
> Acesse a Comunidade de WhatsApp do R24

Os mandados foram cumpridos nas cidades de Alfenas e Fama, no Sul de Minas, e Ubatuba e Limeira, em São Paulo. As ordens judiciais contra os suspeitos abarcam cinco prisões preventivas, 12 mandados de busca e apreensão, sequestro e arresto de ativos (R$ 15 milhões), imóveis, carros, motocicletas, jet-skis, lanchas e outras embarcações utilizadas pelo grupo criminoso.

De acordo com o MP, o suposto esquema envolve, até o momento, 15 pessoas, organizações da sociedade civil (OSC) e empresas. Os indícios apontam para utilização de ‘laranjas’ e empresas com intuito de desviar recursos, dissimular e ocultar os reais beneficiários dos crimes, movimentando mais de R$ 17 milhões, nos estados de Minas Gerais e São Paulo.

Operação conjunta mobilizou diversas foças

A operação contra o suposto grupo criminoso envolveu diversas forças de investigação e de segurança.  Ela foi foi deflagrada a partir da atuação da 6ª Promotoria de Justiça de Alfenas, com apoio do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (Caoet), por meio da Coordenadoria Estadual de Rastreamento de Ativos e Combate à Lavagem de Dinheiro (Cora-LD), com apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Passos e Varginha e do Gaeco de São Paulo, Polícia Militar e Polícia Civil.

Participaram das atividades desta sexta-feira: dez promotores de Justiça, cinco servidores do MPMG, dois delegados, 13 policiais civis e 50 policiais militares.

Quer receber notícias de Pouso Alegre e região e ser informado sobre as vagas de emprego diretamente no seu WhatsApp? Acesse o canal do R24 no WhatsApp


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Canal do WhatsApp| Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Continuar lendo

Política

Prefeitura inaugura Centro Integrado de Defesa Social na próxima segunda

Publicado

no dia

Imagem: Ilustração/Pixabay

A Prefeitura de Pouso Alegre (MG) inaugura na próxima segunda-feira, 27, o Centro Integrado de Defesa Social. O prédio vai funcionar na região central da cidade e contará com uma central de comando que vai captar imagens registradas por 174 câmeras espalhadas por todas as regiões do município.

> Confira o especial Eleições 2024
> Siga o R24 no Instagram
> Acesse o canal do R24 no WhatsApp
> Acesse a Comunidade de WhatsApp do R24

O centro já havia sido anunciado pelo prefeito Cel. Dimas (Republicanos) durante o lançamento de sua pré-candidatura à reeleição, reforçando a segurança pública como um dos motes de sua plataforma eleitoral. Cel. Dimas classificou a medida como sendo “uma muralha de proteção da cidade”.

Volta da Guarda Municipal

A criação do Centro Integrado de Defesa Social se soma a outra medida de impacto anunciada pelo atual prefeito para o setor. Também no lançamento de sua pré-candidatura, ele afirmou que já determinou a elaboração de um edital para recriação da Guarda Municipal.

Segundo ele, a corporação estará de volta com a missão de aumentar a sensação de segurança dos moradores especialmente em praças e parques públicos.

Quer receber notícias de Pouso Alegre e região e ser informado sobre as vagas de emprego diretamente no seu WhatsApp? Acesse o canal do R24 no WhatsApp


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Canal do WhatsApp| Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Continuar lendo

Minas

‘Zema caloteiro’: por aumento real de salario, policiais  protestam em Pouso Alegre

Publicado

no dia

Manifestações se repetiram em diversas cidades de Minas. Na imagem, manifestação em Pouso Alegre (à esq.) e na ALMG, em Belo Horizonte (à dir.) | Imagens: reprodução de redes sociais

Os servidores estaduais seguem demonstrando sua insatisfação com a proposta de recomposição salarial apresentada pelo governo Zema, de 3,62%.

Reverberando atos realizados em outras cidades mineiras, nesta terça-feira, 21, policiais civis, militares, penais e bombeiros, ativos e inativos, se reuniram no centro de Pouso Alegre para protestar contra o reajuste e exigir um aumento maior. A categoria também se insurge contra proposta do governo Zema de aumentar a contribuição previdenciária dos militares (veja vídeo a seguir).

> Siga o R24 no Instagram
> Acesse o canal do R24 no WhatsApp
> Acesse a Comunidade de WhatsApp do R24

O ato em Pouso Alegre reuniu agentes das forças de toda a região e se concentrou na Praça Senador José Bento e percorreu algumas ruas centrais, passando em frente aos prédios da Polícia Militar e da Polícia Civil.

A classe alega que este pode ser o oitavo ano sem aumento real de salário. Para piorar, o reajuste proposto por Zema, de 3,62%, é inferior à inflação registrada em 2023, quando o índice ficou em 4,62%.

A relação das forças de segurança com o governo Zema, que nunca foram tranquilas, voltam a se deteriorar. A medida da insatisfação da categoria ficou evidente nas palavras de ordem entoadas pelo centro de Pouso Alegre. Um aviso: “A policia vai parar”; e uma ofensa: “Zema caloteiro, devolve o meu dinheiro”.

Em um vídeo que ganhou as redes sociais, um manifestante compara o reajuste que Zema deu ao próprio salário e o que está oferecendo aos servidores: “298% de aumento pra ele e 3,62% pra quem vai pra rua atrás de bandido, né”, aponta o manifestante revoltado.

Proposta de reajuste passa em primeira comissão da Assembleia

Apesar da enorme pressão feita pelos servidores, a proposta de reajuste do governo Zema foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa de Minas (ALMG).

Para ser aprovado, o texto ainda terá que passar pelas comissões de Administração Pública e de Fiscalização Financeira e Orçamentária, para só então ir ao plenário, onde será votada em dois turnos.

A votação na CCJ se deu em meio a protestos dos servidores estaduais, que estiveram na assembleia para acompanhar a votação.

Quer receber notícias de Pouso Alegre e região e ser informado sobre as vagas de emprego diretamente no seu WhatsApp? Acesse o canal do R24 no WhatsApp


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Canal do WhatsApp| Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Continuar lendo

Mais lidas