® 2021 Rede Moinho 24 • Notícias de Pouso Alegre e região •

Minas

Acordo pode quitar dívida de R$ 6,8 bi deixada por Pimentel com a Saúde dos municípios

Publicado

no dia

Integrantes do governo Zema se reúnem com o procurador-geral de Justiça, Jarbas Soares Júnior no início de setembro para discutir dívida com os municípios | Foto: MP

Acordo está prestes a ser fechado entre o governo Zema e os municípios mineiros, representados pela AMM. Proposta de pagamento parcelado deve ser apresentado na semana que vem

Mais uma dívida do governo de Minas com os municípios pode começar a ser quitada nos próximos meses. Está muito perto de ser fechado um acordo entre o governo Zema (Novo) e a Associação Mineira de Municípios (AMM) para o pagamento de R$ 6,8 bilhões em repasses não feitos à saúde dos municípios pelo governo de Fernando Pimentel (PT).

O valor da dívida foi calculado pela AMM e ratificado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Uma audiência com o Ministério Público deve homologar o acordo na semana que vem, de acordo com a Rádio Itatiaia.

Segundo a reportagem, “o acerto de contas deve ser nos moldes de outros acordos feitos pelo Governo do Estado: as primeiras três parcelas devem ser mais generosas, com cerca de 30% do valor total devido. O restante deve ser parcelado ao longo de pelo menos 24 meses”.

O pagamento dos valores não repassados aos setores de saúde dos municípios é uma das grandes reivindicações dos prefeitos mineiros, que devem enfrentar nos próximos meses aperto fiscal e mais pressão sobre a saúde com a retomada de serviços represados, como os procedimentos eletivos.

Na outra ponta, Zema sabe que fechar o acordo é um passo importante para garantir apoio em 2022.

 


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais: Facebook | Youtube | Instagram Grupo de WhatsApp

Minas

Minas paga auxílio de R$ 600 dia 14. Em Pouso Alegre, 4 mil famílias vão receber

Publicado

no dia

Zema anuncia calendário e forma de pagamento do auxílio durante coletiva de imprensa nesta segunda, 04 | Foto: Marco Evangelista/Imprensa-MG

Pagamentos serão feitos a partir do dia 14, conforme o mês de aniversário do beneficiário. Terão prioridade famílias que não possuem Bolsa Família e constituídas por mães solteiras e seus filhos

O governo Zema anunciou nesta segunda que o auxílio emergencial do estado será pago a partir do dia 14 de outubro. O benefício é mais um apoio financeiro governamental para ajudar a parcela da população mais vulnerável em meio à crise provocada pela pandemia.

De acordo com o governo de Minas, pouco mais de 1 milhão de famílias terão direito ao benefício, que será repassado em parcela única e contempla pessoas com renda per capita de até R$ 89 – o que as coloca na faixa da extrema pobreza, conforme base de dados do Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico).

Só terão direito ao benefício aqueles que estavam cadastrados no CadÚnico em 22 de maio deste ano. No caso de Pouso Alegre, conforme a última estimativa da pasta de Políticas Sociais, 4 mil famílias terão direito ao benefício.

Calendário de pagamento

Terão prioridade para receber o auxílio as famílias que não têm o benefício do programa Bolsa Família e as famílias constituídas por mães solteiras e seus filhos. Para este grupo, o dinheiro será depositado no período de 14 a 21 de outubro de 2021. Para as demais famílias, o recurso será depositado de 22 a 29 também deste mês.

Confira a escala de pagamentos, conforme o mês de aniversário do beneficiário:

Outras informações importantes

O Auxílio Emergencial Mineiro será pago exclusivamente em contas-poupança digitais da Caixa Econômica Federal, a conta “Caixa Tem”. Para quem já a possui, o benefício será depositado automaticamente. No entanto, para aqueles que ainda não possuem esta conta na instituição, será aberta uma conta automaticamente, que poderá ser movimentada pelo aplicativo de smartphone “Caixa Tem”. As contas correntes ou poupança convencionais que beneficiários porventura possuam na Caixa não serão utilizadas para crédito do benefício.

Caso o beneficiário não possua celular, pode comparecer a uma agência da Caixa ou a uma Casa Lotérica, portando um documento de identificação com foto, para que consiga fazer o saque do Auxílio Emergencial Mineiro.

Se o Responsável Familiar tiver falecido, para que outra pessoa da família movimente a conta será necessária autorização judicial. Da mesma forma, se estiver impossibilitado de sacar o benefício por estar internado ou preso, será necessário providenciar uma procuração pública, autenticada em cartório, para ter acesso ao benefício. Em ambos os casos, o saque só poderá ser feito em uma agência da Caixa.

É importante lembrar que quem receber o benefício de forma indevida, pois não se enquadrava nos critérios do programa, deve comunicar imediatamente à Sedese pelo e- mail: devolucaoauxilioemergencialmineiro@social.mg.gov.br.

Neste caso, é necessário informar o nome completo, CPF, NIS, valor recebido e o número da conta em que o valor foi depositado. A partir daí, será gerado um boleto para devolução do valor e enviado para o e-mail de quem fez a comunicação.

A denúncia de recebimento indevido do recurso do Auxílio Emergencial Mineiro também pode ser feita no endereço denunciaauxilioemergencialmineiro@social.mg.gov.br . Para que seja apurado pelas autoridades competentes, será necessário incluir o nome do envolvido, município e a descrição da situação.


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram

Continuar lendo

Minas

Em evento com Bolsonaro, Zema tira a máscara e é festejado por bolsonaristas

Publicado

no dia

O governador Romeu Zema (Novo) participou nesta quinta-feira, 30, ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), da cerimônia de sanção da lei que destina R$ 2,8 bilhões para melhoria, ampliação e privatização do metrô de Belo Horizonte.

Zema era o único entre as autoridades do palanque que usava máscara, mas fez uma concessão aos pedidos de bolsonaristas e retirou a proteção durante o seu discurso depois de um assessor cochichar algo em seu ouvido. O gesto levou a plateia bolsonarista ao delírio.

Para além da caricatura, o movimento do governador ilustra que seu relacionamento com Bolsonaro e o bolsonarismo segue intacto.

Apesar das rusgas envolvendo o governo federal e os governos estaduais, como por exemplo na discussão em torno da cobrança do ICMS sobre os combustíveis – uma das muitas cortinas de fumaça para desviar o debate, as bolas divididas entre os entes não desgastaram a relação dos políticos.

É bom lembrar que Romeu Zema foi eleito em 2018 como zebra, mais um outsider levado ao palácio pela onda bolsonarista antissistema. Não por acaso, durante o evento desta quinta, a claque entoou um ‘fora Kali’, em menção ao prefeito de Belo Horizonte, provável adversário de Zema na disputa pelo governo de Minas, pleito que, até aqui, tem boas perspectivas de reeleição para o quadro do Novo.

Bolsonaro, aliás, não deixou de fazer a observação política sobre Zema, de certa forma, lembrando a quem ou  que fatores o governador deve sua eleição. “Um homem que ninguém conhecia. Uma surpresa”, pontuou o presidente, avaliando que a gestão do mineiro tem dado bons resultados.

 


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram

Continuar lendo

Economia

Cerveja vai ficar até 10% mais cara para o consumidor mineiro

Publicado

no dia

A alta generalizada dos preços vai atingir em cheio não apenas o bolso, mas também o copo do mineiro. A cervejinha vai ficar mais cara. A Ambev, gigante do mercado cervejeiro, dona de marcas como Skol, Brahma, Antártica, Bohemia e Stella Artois, anunciou, ontem (28), o reajuste de seus produtos. Os novos preços passam a valer no sábado, 02.

O grupo não especificou qual seria o percentual de reajuste, mas a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Minas Gerais (Abrasel-MG) estima que o aumento fique entre 5% e 6% no atacado e chegue a 10% para o consumidor final.

“O que a gente está vendo é o repasse da inflação, que pressiona toda a população, os bares e restaurantes, e a cadeia de produção como um todo. Alta do combustível, alta da energia, tudo isso acaba puxando o preço de todos os produtos, incluindo a cerveja. [Ao consumidor], o preço deve aumentar em algo entre 7% e 10%”, projeta Matheus Daniel, presidente da entidade.


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram

Continuar lendo

Mais lidas