® 2021 Rede Moinho 24 • Notícias de Pouso Alegre e região •

Economia

Nove dos 13 produtos da cesta básica de alimentos ficam mais caros em Pouso Alegre

Publicado

no dia

Preço médio da cesta de alimentos em junho para uma pessoa adulta ficou em R$ 513. Itens como leite, café e açúcar aumentaram entre 6 e 13%, liderando subida de preços. Por outro lado, tomate e batata ficaram, em média, 24% mais baratos

O preço médio da cesta de alimentos para o consumo mensal de uma pessoa adulta em Pouso Alegre ficou em R$ 513 no mês de junho, conforme apurado no quarto levantamento do Índice de Cesta Básica no município realizado pelo departamento de pesquisas do Centro Universitário do Sul de Minas (Unis).

A pesquisa é realizada a partir da coleta de preços dos 13 produtos que compõem a cesta básica nacional de alimentos nos principais supermercados da cidade, seguindo metodologia do DIEESE a nível nacional. Nove dos 13 produtos tiveram alta.

O valor apurado em junho representa um recuo de 2,76% na comparação com o mês de maio. Para os responsáveis pelo levantamento, coordenado pelos professores Maílson Alan de Godoi e Pedro dos Santos Portugal Júnior, “o forte declínio nos preços dos produtos hortifrutigranjeiros (tomate, batata e banana) compensou as elevações de outros produtos e foi decisivo para esse resultado”.

Eles ressaltam, porém, que a tendência dos últimos meses tem sido de alta dos preços. “Cabe salientar que, desde o início da pesquisa em março deste ano, a cesta básica em Pouso Alegre teve alta acumulada de 1,61%”, anotam.

Pouso-alegrense que vive com 1 salário mínimo precisa trabalhar mais de 102 horas apenas para se alimentar

O valor da cesta básica de alimentos na cidade corresponde a a 50,46% do salário mínimo líquido. Assim sendo, o trabalhador que recebe um  salário mínimo mensal precisa trabalhar 102 horas e 41 minutos por mês apenas para se alimentar.

A pesquisa do DIEESE referente a maio de 2021 (divulgada no último dia 08 de junho) demonstrou que a capital com maior valor da cesta básica no Brasil é Porto Alegre (R$ 636,96) e a  capital com o valor mais baixo é Aracaju (R$ 468,43). Não houve a coleta de preços neste mês em  Belo Horizonte. 

Nas demais cidades também pesquisadas pelo UNIS os valores desta mesma cesta de produtos no mês de junho são os seguintes: Varginha, R$ 485,64; e São Lourenço, R$ 571,23. 

Pesquisadores indicam necessidade de políticas governamentais para minimizar impactos da alta dos preços

Mesmo com a leve queda no preço geral da cesta básica em junho, os pesquisadores apontam para a alta volatilidade de preços dos hortifrutigranjeiros em meio à safra de inverno, que é mais curta. Eles lembram ainda que os preços de produtos básicos como a carne bovina e o óleo de soja continuam muito elevados.

Por isso, eles sugerem políticas públicas para minimizar os impactos da alta dos preços dos alimentos no bolso da população. “Queda na taxa de câmbio,  incentivo à produção regional e venda para o mercado interno, bem como a retomada da política de  estoques reguladores para alguns produtos”, são as ações recomendadas pelos pesquisadores.

> Acesse a íntegra do estudo de junho

Confira a variação de preços de cada produto:

Entre os meses de maio e junho, dos 13 produtos componentes da cesta básica pesquisada em  Pouso Alegre, 9 apresentaram alta dos preços médios, são eles:  

Produtos  Média da alta dos preços
Leite integral  13,68%
Açúcar refinado  6,62%
Café em pó  6,51%
Manteiga  5,32%
Farinha de trigo  4,83%
Arroz  3,59%
Óleo de soja  1,82%
Carne bovina  1,04%
Feijão carioquinha  0,49%

 

Quatro produtos tiveram queda em seus preços médios, são eles: 

Produtos  Média da queda dos preços
Tomate  -24,61%
Batata  -24,21%
Banana  -21,82%
Pão francês  -1,43%

 


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais: Facebook | Youtube | Instagram| Grupo de WahtsApp

Economia

General Mills seleciona profissionais para fábrica de Pouso Alegre nesta quarta

Publicado

no dia

A gigante multinacional de alimentos General Mills faz uma seleção para contratação de profissionais que irão atuar em sua planta de Pouso Alegre (MG) nesta quarta-feira, 25.

O processo seletivo será feito a partir das 8h, no Centro de Atendimento ao Cidadão (CAC), que fica na Câmara Municipal da cidade, na Avenida São Francisco, 320, no bairro Primavera.

Para participar da seleção basta comparecer ao local, no horário informado, levando currículo profissional e documentos pessoais.

As vagas em aberto são para atuar como:

  • operador de caldeira;
  • operador de empilhadeira;
  • auxiliar de produção;
  • analista de qualidade;
  • jovem aprendiz e PCD.

Processo seletivo ocorre na Câmara Municipal | Foto: divulgação


Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Continuar lendo

Economia

Mais 300 empregos: Pouso Alegre deve sediar duas unidades do Mineirão Atacarejo

Publicado

no dia

Fachada de unidade do Mineirão Atacarejo | Foto: divulgação

A DMA Distribuidora S/A, uma das maiores empresas de varejo alimentício de Minas Gerais, anunciou a intenção de construir duas unidades do Mineirão Atacarejo, em Pouso Alegre (MG). A expectativa é que os novos empreendimentos gerem cerca de 300 empregos diretos.

A informação foi confitmada pelo prefeito Cel. Dimas (PSDB).

“Estive nesta quarta-feira, 4, em Santa Rita do Sapucaí para a inauguração da Epa Supermercados, que pertence a DMA, assim como o Brasil Atacarejo e Mineirão Atacarejo. Em conversa com os donos da empresa, recebi essa ótima notícia para nossa Pouso Alegre. A DMA conta com mais de 20 mil colaboradores e, em breve, Pouso Alegre fará parte desse time”, afirmou o político.

Atualmente, a DMA conta com 170 unidades, sendo 113 lojas Epa Plus em Minas Gerais e 19 no Espírito Santo; 35 unidades Mineirão Atacarejo em Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Pernambuco, Maranhão, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Norte, Rondônia e Acre.

Continuar lendo

Economia

Empresas de Santa Rita do Sapucaí firmam protocolo para geração de 500 vagas

Publicado

no dia

Imagem aérea de Santa Rita do Sapucaí | Imagem: divulgação

Um conjunto de sete empresas já instaladas em Santa Rita do Sapucaí (MG) firmaram protocolo de intenções que preveem a geração de mais 500 postos diretos de trabalho ao longo dos próximos dois anos. O termo de compromisso prevê ainda investimentos da ordem de R$ 20 milhões.

Para consumar os investimentos e a geração de empregos, as empresas pleiteiam junto à prefeitura local a doação de lotes para construção de novas plantas ou expansão das já existentes.

O município está preparando projetos de lei que serão enviados à Câmara de Vereadores para aprovar as doações. As empresas que pedem o incentivo são: a Serigráfica Santana, Medmax, Ventrix , Neomera, 4inteligence, Think Technology e Plastfer.

A doação das áreas às empresas já instaladas no município só é possível porque Santa Rita do Sapucaí é uma das poucas cidades que possuem lei municipal que amparam esse tipo de incentivo. Em geral, as legislações permitem doações a empresas que estão de chegada aos municípios.

“São empresas criadas em nossa cidade, com empreendedores locais ou que formados nas nossas instituições acadêmicas aqui escolheram iniciar seus empreendimentos através das incubadoras. Temos um plano de desenvolvimento através da geração de empresas de qualidade, de apoio às empresas já instaladas e de atração de novas empresas”, aponta o prefeito Wander Wilson Chaves (DEM).


Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram

Continuar lendo

Mais lidas