® 2021 Rede Moinho 24 • Notícias de Pouso Alegre e região •

Cotidiano

Homem de 58 anos é preso por maltratar gatos: um deles estava morto há dias

Publicado

no dia

Morador de Careaçu foi preso em flagrante e alegou falta de tempo para cuidar dos animais. Ao menos 10 gatos eram mantidos em local insalubre e sem alimentos. No local, ainda foi encontrado um animal morto, em avançado estado de decomposição

Mais uma pessoa acusada de maus-tratos a animais foi presa no Sul de Minas. Desta vez, o caso ocorreu na cidade de Careaçu. Um homem de 58 anos mantinha ao menos 10 gatos em situação de sofrimento, sem alimentação adequada e em um ambiente sujo. Ele acabou denunciado por moradores e preso em flagrante pela Polícia Civil na tarde desta sexta-feira, 19.

Corpo de animal, em avançado estado de composição, foi deixado em cima de tambor | Foto: Polícia Civil

 

No local, além de constatar os maus-tratos, os policiais encontraram os restos mortais de um gato, já em adiantado estado de decomposição. Muito magros, os gatos aparentavam passar fome. Segundo vizinhos declararam aos policiais, eles tentavam alimentá-los, jogando comida por cima do muro.

O homem de 58 anos alegou falta de tempo para cuidar dos animais. Ele foi preso em flagrante com base na Lei de Crimes Ambientais, que elenca os maus-tratos a animais, e encaminhado para o presídio de Santa Rita do Sapucaí.

Vizinhos contaram que jogavam alimentos por cima do muro para amenizar a fome dos gatos | Foto: Polícia Civil

 

Em comunicado à imprensa, a Delegacia Regional de Polícia Civil em Pouso Alegre, lembrou que “após alteração recente na Lei 9.605/1998, a prática de abuso, maus tratos, ferimentos e mutilações a animais domésticos, especificamente cães e gatos, passou a ter pena de reclusão de 2 a 5 anos, com aumento de pena nos casos de morte do animal”.

Cotidiano

Namorado e mais dois são suspeitos de matar homem de 40 anos em Ouro Fino

Publicado

no dia

Casa em que homem de 40 anos foi encontrado morto. Segundo vizinhos, ele e o namorado brigavam com frequência por ciúmes | Imagem: PM

Polícia foi acionada por suposto suicídio, mas após versões desencontradas, três homens acabaram presos pela morte de um homem de 40 anos em Ouro Fino (MG). Um dos suspeitos era seu namorado

Uma morte cercada de versões desencontradas em Ouro Fino (MG) pode ter sido o resultado de um crime passional. Um homem de 40 anos foi encontrado morto pela Polícia Militar no início da tarde desta quinta-feira, 04. Ele tinha uma perfuração no peito, mas nenhum objeto cortante foi encontrada próximo de seu corpo.

Na casa onde a vítima foi encontrada, a primeira versão dada por dois homens, um de 57, proprietário do imóvel, e outro de 40, o namorado da vítima, foi de um suposto suicídio. Mas a história começou a cair por terra quando a perícia da Polícia Civil chegou ao local.

Questionado sobre o que teria causado o ferimento na vítima, seu namorado revelou ter levado a faca responsável pela perfuração e contou onde a tinha guardado. O dono do imóvel deu versões desencontradas. Chamou atenção ainda o fato de a polícia provavelmente só ter sido acionada duas horas após a morte da vítima.

“Segundo a enfermeira do SAMU, possivelmente a hora da morte foi por volta de meio dia e a Polícia Militar foi acionada somente as às 14 horas, ainda segundo a enfermeira, a vítima apresentava leve rigidez cadavérica e também arrocheamento do dorso costal”, informou a Polícia Militar de Ouro Fino.

Brigas constantes por ciúmes

Os vizinhos contaram aos investigadores que as brigas na casa eram constantes. Elas envolviam a vítima, seu namorado e o proprietário do imóvel e, ainda de acordo com o que os vizinhos teriam contado aos policiais, elas eram violentas: chegavam a envolver facas.

Os dois homens acabaram presos por suspeita de homicídio. No início da noite, a polícia ainda prendeu um terceiro suspeito de 43 anos, que também teria participação no suposto assassinato.

Segundo a Polícia Militar, não foi possível identificar a vítima, nem seu namorado, que não possuíam documentos. Conforme informações colhidas pela investigação no local, a vítima seria de Araxá, na região do Triângulo Mineiro, e seu namorado, do estado do Paraná.

Continuar lendo

Cotidiano

Imagem: Bombeiros resgatam tartaruga sugada por rede de esgoto

Publicado

no dia

Tartaruga foi resgatada após ser sugada pela rede de captação de esgoto, em Extrema | Foto: CB

O Corpo de Bombeiros fez um resgate inusitado nesta terça-feira, 02. Retiraram do esgoto uma tartaruga que havia sido sugada pela rede de captação.

O trabalho de resgate aconteceu na cidade de Extrema. Os bombeiros contaram que, para chegar até o ponto em que estava a tartaruga, um militar precisou usar equipamento de proteção respiratória para evitar a possibilidade de contaminação.

O animal foi encontrado ainda com vida e levado à zoonose da cidade. Veja as imagens:

Continuar lendo

Cotidiano

Pai de Lara teria agredido ex-mulher antes de sumir com a filha e se matar

Publicado

no dia

Wallace Prado, de 21 anos, foi encontrado morto na quarta, 24. Ele teria jogado a filha no rio e depois se matado | Imagem: reprodução de redes sociais

Mãe de Lara, uma jovem de 16 anos, procurou a delegacia na quarta-feira, 24, não apenas para informar o desaparecimento da filha de 1 ano e 9 meses, mas também para pedir medidas protetivas contra o ex-marido, que a havia agredido

O delegado da Polícia Civil, Luiz Felipe Brizzi, responsável pelas investigações do caso Lara, deu mais detalhes sobre os acontecimentos em torno da morte da bebê de 1 ano e 9 meses. Seu corpo foi encontrado por pescadores neste domingo, flutuando no Rio Sapucaí, na região rural de Turvolândia.

De acordo com o delegado, tudo leva a crer que se tratou mesmo de um homicídio seguido de suicídio, num ato bárbaro que teria sido praticado pelo pai após a mãe da menina pedir a separação.

O delegado revelou que, ao procurar a delegacia de Polícia Civil, em Silvianópolis, na quarta-feira, 24, além de apontar o desaparecimento da filha, pega na noite anterior pelo pai, a jovem de 16 anos pediu uma medida protetiva contra o ex-marido, que a teria agredido.

“As medidas [protetivas] eram em razão de que ela havia sido agredida e ameaçada pelo marido e também informarmos do sumiço da menina”, narra Brizzi.

Naquele momento, porém, horas depois de o pai ter pego a filha com a mãe, não era possível enquadrar a conduta do pai como irregular, embora a mãe não conseguisse contato para confirmar o paradeiro da filha. O pais havia pego a filha na noite anterior, alegando que a levaria na casa da avó.

“Eu expliquei a ela que não era caso de sequestro, até por que ele era pai, tinha esse direito. E ela também cedeu [a guarda da menina] normalmente, como deveria ter sido mesmo”. Até aquele momento, não passava pela cabeça de ninguém o que o pai poderia fazer com a menina.

Foi durante os registros das medidas protetivas na delegacia que chegou a trágica informação. O pai da menina, Wallace Prado, de 21 anos, havia cometido suicídio. A perícia seguiu para o local e encontrou um sapatinho da menina próximo do veículo de Wallace e outro próximo ao rio, perto também de onde foi localizado o corpo do pai da menina Lara.

Enquanto buscas seguiam pelo rio, delegado tentou localizar Lara a partir de amigos e conhecidos de Wallace

Bebê foi encontrada por pescadores em uma região rural de Turvolândia (MG) | Imagem: reprodução

Os vestígios encontrados na cena do crime deixavam pouca margem para dúvidas. A principal suspeita das autoridades era de que Wallace teria jogado a própria filha no rio e, então, se enforcado.

Apesar disso, enquanto as buscas dos bombeiros não traziam resultados, a Polícia Civil tentava localizar Lara de outras formas. “O que eu havia feito antes, ainda tentando acreditar que isso [a menina ter sido jogada no rio pelo pai] não tinha acontecido, foi determinar investigações no sentido de localizar os amigos do suposto autor para ver se ele tinha deixado a menina com alguém”, rememora o delegado.

Apesar de os investigadores e a família da bebê manter a esperança de encontrar a menina viva, a confirmação da tragédia viria na manhã deste domingo, por volta das 9h, quando pescadores encontraram o corpo da bebê flutuando no rio, a cerca de 51 quilômetros rio abaixo e 23 em linha reta, do local onde Wallace e os pertences da menina foram encontrados.

Apesar dos indícios apontarem fortemente para o homicídio cometido pelo pai da menina, o inquérito ainda não foi encerrado. Um elemento fundamental para chegar à conclusão final em torno do caso será a autópsia, que apontará a causa da morte da menina Lara Sophia.

Continuar lendo

Mais lidas