® 2021 Rede Moinho 24 • Notícias de Pouso Alegre e região •

Cotidiano

Curadora é presa por maus-tratos a mulher de 58 anos com problemas mentais

Publicado

no dia

Imagem: ilustrativa

Vítima foi encontrada caída em sua residência, sem cuidados mínimos de higiene, acompanhada de uma criança. A curadora não tem parentesco com a vítima, mas exerce o papel de sua responsável legal

Uma mulher de 36 anos foi presa na tarde desta quinta-feira, 12, no bairro Jardim Redentor, em Pouso Alegre, por maus-tratos a uma mulher de 58 anos com problemas mentais e debilidade física, de quem é responsável legal.

O caso precisou da intervenção da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. A força policial foi acionada por funcionários da Secretaria de Saúde de Pouso Alegre, que fazem o acompanhamento médico e social da mulher. O acionamento foi feito depois que a equipe não conseguiu acesso à casa da vítima.

“Foi narrado pelos funcionários da prefeitura às guarnições policiais que nesta ocasião, ao tentarem acessar a casa, não se fazia presente nenhum responsável legal pela mulher curatelada, estando no local apenas uma menor impúbere [criança]. Em razão disso, foi acionado o serviço policial para garantia do trabalho de saúde dos funcionários da prefeitura à mulher”, registra o informe policial.

Ainda de acordo com o informe, a equipe de saúde que tentava acesso à residência, ainda do lado de fora, conseguiu visualizar a vítima, que além de problemas mentais tem debilidade nos membros superiores. Ela estava caída ao solo “logo na entrada de um pequeno recinto, estando suja e sem os cuidados higiênicos básicos e os relacionados a saúde”.

O Corpo de Bombeiros também foi acionado para prestar os primeiros atendimentos à vítima. Após ser localizada, sua curadora garantiu que o ocorrido se trataria de um episódio isolado, mas não adiantou, ela foi detida e conduzida até à delegacia em flagrante por maus-tratos.

Por se tratar de maus-tratos, com pena máxima inferior a dois anos, a curadora assinou um Termo Circunstanciado e se comprometeu a comparecer em juízo, sendo liberada em seguida.

Cotidiano

Dupla arromba caminhão e furta 200 quilos de carne em Pouso Alegre

Publicado

no dia

Dois homens, de 27 e 46 anos, foram presos em Pouso Alegre (MG) nesta quinta-feira, 12, depois de furtarem uma carga de 200 quilios de carne e outras mercadorias.

A polícia chegou até a dupla por meio de uma denúncia anônima, dando conta que eles estavam fazendo o transbordo da carga de um caminhão para um automóvel na região central da cidade.

Viaturas policiais se deslocaram para o local da denúncia, dando o flagrante na dupla, que fugiu do local, dando início a uma perseguição.

“O veículo seguiu pela avenida Antônio Mariosa, sentido à avenida Vereador Antônio da Costa Rios, adentrando no bairro São Geraldo”, registra o informe da PM.

Já no interior do bairro São Geraldo, os dois homens abandonaram o veículo e tentaram se esconder em um córrego, mas acabaram presos pelos policiais.

“Ao ser verificado o automóvel abandonado pelos autores, constatou-se que no seu interior havia oito caixas de carnes, uma caixa contendo vários brinquedos, uma caixa contendo achocolatados e outra caixa contendo compensados de madeira”, segue o informe da PM.

No carro em que a dupla estava, além das oito caixas, com 200 quilos de carne, a polícia localizou caixas com brinquedos e achocolatados.

Embora confirmassem o furto da carne, os dois homens não souberam apontar a origem das demais mercadorias. O motorista do caminhão arrombado pela dupla confirmou a origem das caixas de carne, atestando que toda a carga fora recuperada.

A dupla foi presa em flagrante e encaminhada para a delegacia de Pouso Alegre.

Continuar lendo

Cotidiano

Mary Hellen é condenada a 9 anos e 6 meses na Tailândia por tráfico de drogas

Publicado

no dia

A pouso-alegrense Mary Hellen Coelho, presa na Tailândia por tráfico internacional de drogas, foi condenada a 9 anos e seis meses de prisão. A informação foi repassada à imprensa por uma de suas advogadas, Kaelly Cavoli Moreira.

Mary Hellen teria recebido a sentença ontem (quarta-feira,11), mas seus advogados só tomaram conhecimento da condenação na madrugada de hoje, após receberem um e-mail do consulado brasileiro.

Embora não tenham tido acesso à íntegra da sentença, os advogados avaliam a pena com bons olhos.

“A gente teve uma pena muito positiva, melhor do que a gente esperava. Nós estávamos contando com 50 anos de prisão, mas já tínhamos descartado a pena de morte e a prisão perpétua. Estamos caminhando para uma pena humana, o mundo precisa ir na contramão de penas desumanas”, declarou a advogada ao G1.

Extradição

Após terem acesso ao teor completo da sentença, os advogados de Mary Hellen devem dar entrada no processo para tentar extraditar a jovem.

Segundo a advogada, do total da pena aplicada a Mary Hellen, 2 anos são por crime civil, e 7 anos e 6 meses são por crime penal.

Continuar lendo

Cotidiano

Seis são investigados: mulher é agredida com socos e pontapés em bar de Pedralva

Publicado

no dia

Cinco homens e um menor são investigados por agressões a Ana Cláudia em bar de Pedralva | Imagem: cedida

Mulher teria sido agredida com socos e pontapés em ato que teria tido participação de um menor e cinco homens. Agressões teriam continuado mesmo após ela estar caída no chão. Justiça determinou medidas cautelares contra os investigados, que não podem sair à noite, frequentar bares nem manter contato com a vítima. Investigados negam agressões, mas advogada da vítima diz esperar que eles sejam denunciados por tentativa de homicídio

Cinco homens e um menor são investigados por participarem de agressão contra uma mulher de 33 anos em um bar de Pedralva, no Sul de Minas. As agressões ocorreram no dia 21 de abril, mas, só na última semana, a Justiça deferiu medida cautelar contra os investigados.

De cordo com relatos de testemunhas, Ana Cláudia Braga, de 33 anos, teria sido agredida com socos e pontapés por três homens, sendo o pai e dois filhos, enquanto outros três homens impediam que seus amigos e populares tentassem socorrê-la. A vítima foi levada para o hospital da cidade com hematomas, escoriações na face e ao menos uma lesão na cabeça.

O caso está sendo investigado pelo delegado Marcel Angel, da regional de Itajubá, também no Sul de Minas. No dia do ocorrido, os três homens que seriam responsáveis diretos pelas agressões foram detidos pela polícia, mas acabaram liberados após prestarem esclarecimentos.

Duas semanas depois, porém, a pedido da Polícia Civil e do Ministério Público, o juiz de primeira instância da Comarca de Pedralva, Fábio Moreira Arantes, deferiu uma série de medidas cautelares contra pai e filho, excluindo da ação o membro da família que é menor de idade, e outros três homens que também passaram a ser  investigados por participação nas agressões.

Os investigados Ruberlei Augusto da Silva, Pedro Augusto Piazza Silva, Cid Lauderson de Freitas, Ronaldo de Lima e Luiz Antônio Carvalho devem obedecer a cinco medidas cautelares: permanecer a distância mínima de 300 metros da vítima, seus familiares e testemunhas; eles também não podem tentar contato de nenhuma forma com vítima, familiares e testemunhas; estão, ainda, proibidos de frequentar bares, boates, clubes e locais assemelhados; o juiz também os proibiu de comparecer às festividades da cidade, que comemora seu aniversário de 135 anos; por fim, os citados devem permanecer em seus domicílios durante a noite.

O juiz também suspendeu o registro de uma arma portada por um dos investigados, Ronaldo de Lima, um revólver calibre 38, e ordenou que ele fosse entregue às autoridades.

Em decisão, justiça narra como teriam ocorrido as agressões

As agressões a Ana Cláudia teriam começado quando ela disse algo a Pedro Augusto, com quem teria tido um relacionamento. No boletim de ocorrência ela afirma que ele a estaria ‘injuriando pela cidade’. A discussão verbal foi apontada por ela e testemunhas como ponto de partida para as agressões que se seguiram: empurrões, socos e pontapés, mesmo após ela estar caída ao chão.

Na decisão em que deferiu as medidas cautelares contra os investigados, o juiz Fábio Moreira Arantes narra como teriam sido as agressões com base em depoimentos e imagens colhidos, até então, pela Polícia Civil.

“Em suma, Ruberlei deu um soco no rosto da vítima, que veio ao chão. Em seguida, Pedro e [seu irmão menor de idade*] passaram a desferir chutes no rosto da vítima. Ainda sobre as agressões, outra testemunha mencionou ter visto que [o menor de idade] desferiu um soco forte na vitima, Ruberlei a segurou pelo pescoço e [o menor de idade] desferiu outros três socos, além de outros atos de violência consistentes em chutes e pisões perpetrados por Ruberlei, [o menor de idade] e Pedro quando a vitima já estava no solo. Os presentes também relataram que as agressões apenas cessaram em virtude da intervenção de outras pessoas presentes no bar”, relata trecho da decisão à qual o R24 teve acesso.

Ainda segundo a apuração inicial, enquanto pai e filhos agrediam Ana Cláudia, três homens brigavam com pessoas que tentavam intervir nas agressões, impedindo que a vítima tivesse auxílio.

“Concomitantemente, outros três homens (“Guinho, Sidnei e Luiz Bambu, vulgos de Ronaldo de Lima, Cid Lauderson de Freitas e Luiz Antônio Carvalho, respectivamente) brigavam com outros rapazes que tentaram intervir. Outra testemunha presenciou [o menor de idade] pegar uma garrafa e arremessar na direção de Ana Cláudia. Há, ainda, relatos das consequências do ocorrido: a vítima apresenta edema no rosto, olhos e abdômen, confusão mental, lentidão e sonolência”, prossegue trecho da decisão que também “a existência de registro de envolvimento em outra briga no mesmo local”.

Ana Cláudia diz que está tentando entender o que aconteceu e pede justiça

Alguns dias após sofrer as agressões, Ana Cláudia decidiu deixar Pedralva. Constrangida com os olhares e comentários que circulavam pela cidade, não encontrou condições psicológicas de continuar morando no município. Dona de uma padaria, que tocava sozinha, precisou fechar as portas do estabelecimento. Se recuperando das lesões, ela ainda não arranjou outra fonte de renda.

Ela diz esperar por justiça. “Minha vida parou, a vida dos meus filhos parou. Estou endividada . A vida deles continua normal. Eu espero que eles paguem. Não é a primeira vez que eles ofendem as pessoas”, alega a vítima, que diz não entender o motivo das agressões.

Segundo ela, o pai e os dois filhos que a agrediram eram pessoas próximas, frequentavam sua padaria e até sua casa. Ainda de acordo com Ana Cláudia, ela não teria sequer provocado Pedro, como relatado pelos investigados. “Eu passei e brinquei com ele: para de fazer fofoca de mim, hein?”. Na sua avaliação, porém, o irmão de Pedro teria interpretado sua fala de maneira errada e partiu para cima dela, iniciando a confusão.

Ana Cládia recebe atendimento após agressões | Imagem cedida

Família está em choque e teme represálias de agressores

A família da vítima só ficou sabendo das agressões no dia seguinte, quando começou a receber as imagens de Ana Cláudia ferida. Uma de suas irmãs, Carmem Braga, se diz chocada com a covardia das agressões.

“Foram seis homens chutando ela, esmurrando a vítima. Pisando, enforcando. (…) Nossa família, desde então, tem sentido muita ansiedade, tristeza, insônia. Estamos todos com dor na alma de pensar que nossa irmã sofreu tanta dor física por ser covardemente agredida por vários homens“, lamenta.

Ela criticou o primeiro atendimento recebido pela irmã na delegacia de Itajubá, feito pelo delegado de plantão. “O delegado tratou a minha irmã com arrogância e descaso, dizendo para a vítima que não tinha evidências alguma de que ela tinha sofrido agressões e se recusou a olhar as imagens que a minha irmão tinha para mostrar pra ele. Então, ali também ela sofreu humilhação, né?”, se queixa.

A apuração do caso, porém, seguiu para as mãos do delegado Marcel Angel, que retornou de férias, instaurou o inquérito e apresentou à justiça o pedido de medidas cautelares contra os investigados, no que foi atendido.

Em depoimento, uma outra irmã da vítima, alega que a família tem medo de represálias dos agressores. Segundo ela, Ana Cláudia teria deixado de mandar os filhos para a escola, com medo de acontecer algo com eles.

Advogada da vítima fala espera que agressores sejam denunciados por tentativa de homicídio

O caso foi registrado num primeiro momento como lesão corporal leve, mas a advogada de Ana Cláudia, Cintia Kersul, acredita que se tratou de uma tentativa de homicídio. “Minha perspectiva é que o Ministério Público denuncie esses agressores por tentativa de homicídio, não por lesão corporal leve, porque ela teve um traumatismo craniano do lado esquerdo (…) um rim ficou afetado também, ela vai ter que fazer tratamento”, afirma.

Outro lado

O R24 tentou contato com os investigados, mas só conseguiu falar com Ruberlei. Ele disse que não poderia se pronunciar a respeito do caso, pois este estaria “sobre (sic) segredo de justiça”. Ainda segundo ele, já haveria “fortes indícios que o colocado em rede social pela mulher não corresponde a verdade. Que as fotos teriam sido simuladas para aparentar situação não ocorrida”, garantiu em mensagem de texto enviada ao R24.

 

*O nome do menor investigado no caso foi suprimido por questões legais.

Não perca nada. Siga o R24 nas redes sociais:
Facebook | Youtube | Instagram | Grupo de WhatsApp | Telegram | Twitter

Continuar lendo

Mais lidas